Relatório de Pesquisa

 Prof. Msc. Joel Irineu Lohn (Org.)

 

A apresentação escrita de um  Relatório de Pesquisa obedece, de modo geral, às mesmas normas de apresentação dos trabalhos científicos.

As partes que compõem um Relatório são: capa, folha de rosto, sumário, índice, introdução, desenvolvimento e conclusão. Caso sejam necessários, apêndices e anexos; no final, bibliografia.

Esta estrutura está sujeita a adequações segundo a instituição, o orientador e, muitas vezes, até o objeto do trabalho.

O relatório  pode ser dividido em três partes:

 

Parte 1 ou Parte Introdutória:

 a) capa

b) folha de rosto

c) folha da ficha catalográfica  ( * )

d) folha do examinador ( * )

e) folha de dedicatória ( * )

f) folha de agradecimento ( * )

g) folha de apresentação ( * )

h) folha do sumário

i) folha de justificativa do tema, problema e hipótese.

( * ) Partes opcionais. Devem ser utilizadas quando necessário.

 

 

Parte 2 ou Desenvolvimento do relatório:

 a) introdução;

b) desenvolvimento;

c) conclusão.

 

 Parte 3  ou Parte Referencial:

 a) bibliografia;

b) anexos e apêndices.

 

 

PARTE INTRODUTÓRIA:

 - FOLHA DE ROSTO

A folha de rosto deve conter as informações essenciais.

  

- SUMÁRIO

O sumário é o resumo das etapas da pesquisa.

  

- ÍNDICE

O índice é utilizado para indicar as páginas que contêm ilustrações, como fotografias, desenhos, figuras e outros.

  

Desenvolvimento do relatório:

 - INTRODUÇÃO

         A introdução  do  Relatório  compõe-se  dos seguintes  elementos:  a) título (tema);  b) delimitação do assunto;  c) objetivos;  d) hipóteses;  e) variáveis; f) universo da pesquisa (amostragem);  g) justificativa;  h) procedimentos metodológicos.

 a)      O título, geralmente, corresponde ao tema da pesquisa. Devem ser evitados os títulos longos demais, optando-se pelo que melhor corresponde ao conteúdo do trabalho.

 b)      Delimitação do assunto. Especifica-se qual o enfoque, a extensão e profundidade do assunto a ser investigado, conforme as normas sugeridas para os trabalhos em geral.

 c)      Objetivos. Neste item especificam-se os objetivos da pesquisa. Toda pesquisa deve ter objetivos bem claros e definidos. Os objetivos podem ser gerais e particulares. O objetivo geral acha-se ligado ao tema do trabalho; a pesquisa bibliográfica constitui a melhor orientação para se fixar os objetivos gerais. Os objetivos específicos referem-se ao assunto propriamente dito: o que se pretende demonstrar ou a que conclusões se pretende chegar com o trabalho. É indispensável a quem pretende fazer uma pesquisa saber por quê? e para quê? vai realizá-la. Com os objetivos bem definidos, torna-se mais fácil conduzir a investigação; para quem sabe aonde quer chegar, conhece os caminhos e os instrumentos, a questão é organizar-se e ir a campo.

 d)      Hipóteses. As hipóteses do trabalho devem ser bem explicitadas. A formulação das hipóteses é fundamental para o desenvolvimento da pesquisa e todo o trabalho será desenvolvido para saber-se, após a análise e interpretação dos dados coletados, se as hipóteses foram ou não confirmadas. Não há um método prático e infalível para formular-se hipóteses; o pesquisador deve imaginar possíveis soluções para o problema em estudo, ou determinar as conclusões lógicas, baseando-se na literatura básica da área, na sua experiência pessoal, em leituras e analogias.

 e)      Variáveis. A indicação das variáveis é uma decorrência das hipóteses formuladas e deve ser feita logo em seguida. Levando-se em consideração que as variáveis atuam sobre o objeto de estudo, só é possível indicá-las mediante o conhecimento desse objeto e das hipóteses formuladas.

 f)       Universo da pesquisa. É importante indicar o universo da pesquisa, deixando bem clara sua delimitação. O universo da pesquisa corresponde à amostra do universo global, isto é, em dada população, os sujeitos que serão efetivamente pesquisados. Na realização de um trabalho sobre os motivos pelos quais as mães levam seus filhos para a creche, evidentemente, não será possível pesquisar todas as mães. As mães que levam seus filhos para determinada creche ou creches, selecionadas como amostra do universo, é que serão os sujeitos da pesquisa ou o universo da pesquisa.

 g)      Justificativa. A finalidade da justificativa é esclarecer por que o tema foi escolhido, ressaltar sua importância, os trabalhos realizados na área e as contribuições que poderão advir da realização da pesquisa. Pode-se também elaborar um histórico sucinto do problema, para demonstrar o estágio de desenvolvimento do assunto, valendo-se para isto do material levantado na pesquisa bibliográfica.

 h)      Procedimentos.Trata-se, aqui, de descrever os procedimentos metodológicos da pesquisa. Nesta parte definem-se os critérios utilizados : como foram determinados os pontos da pesquisa; qual a delimitação do universo; a escolha, a quantidade e as características dos informantes; as técnicas e os instrumentos da pesquisa; as etapas da coleta de dados; quantas entrevistas, quantos formulários foram aplicados. Descrevem-se também os métodos empregados para a representação dos dados, os parâmetros da análise e    interpretação, os resultados e as conclusões. Pelo exposto, deduz-se que a realização da pesquisa, desde o planejamento até o final deve ser descrita, de maneira sucinta.

 

-  DESENVOLVIMENTO

            O desenvolvimento do Relatório corresponde aos seguintes itens: apresentação dos dados obtidos; análise e interpretação; representação dos dados, em gráficos e tabelas; discussão dos resultados.

A discussão dos resultados será feita após a representação dos dados. O conteúdo dos gráficos e tabelas deve ser objeto da análise e, ainda que os dados estejam claramente representados, devem ser mencionados na discussão. Isto quer dizer que na redação do trabalho serão analisados os dados apresentados em gráficos e tabelas.

 

 

 

- CONCLUSÃO

 

 A conclusão de um trabalho nada mais é que a resposta ao problema que deu origem à pesquisa.

A conclusão consiste em uma síntese interpretativa da pesquisa. Procede-se à revisão dos principais fatos e retomam-se as hipóteses a fim de verificar-se a confirmação ou rejeição.

O pesquisador deverá, na sua conclusão, utilizar como argumentos o conteúdo de tudo aquilo que foi apresentado nos vários capítulos. É importante que esses argumentos sejam apresentados em toda a sua plenitude e consistência, pois de nada adiantam argumentos apresentados de forma insuficientes que acabam por invalidar um trabalho muito bem desenvolvido.

Se eventualmente a pesquisa não permitir a confirmação da hipótese, esta poderá servir de base para o desenvolvimento de outros trabalhos e de novas idéias, que poderão transformar uma resposta negativa num ponto de partida para futuras pesquisas e busca de novas verdades.

Na conclusão cabem, ainda, sugestões para outros trabalhos, com novo enfoque, mais amplo, ou sobre assunto correlato.

  

 Parte Referencial:

            A parte referencial, como foi referido, consta de Apêndices, Anexos e Bibliografia.

 

 - BIBLIOGRAFIA

            A qualidade de um trabalho científico pode muitas vezes ser avaliado, à priori, a partir de uma verificação de sua bibliografia; não só no seu aspecto quantitativo, mas principalmente no qualitativo.

Esta pode ser composta por livros, jornais, revistas, boletins, ensaios, entrevistas, seminários, filmes, periódicos e outras fontes de pesquisa que deverão obedecer a orientação para referências bibliográficas, conforme apresentado nas normas da ABNT..

  

- ANEXOS E APÊNDICES

            Destina-se esta parte às informações complementares da pesquisa, que podem ser: projetos de lei, decretos, reportagens, tabelas, gráficos, figuras, ficha de informante, modelo de questionário e formulário, roteiro de entrevista fazem parte do Apêndice. Recortes de jornais e revistas, mapas, figuras, estatutos, programas de cursos etc. compõem os Anexos.

Fotografias e ilustrações, de autoria de quem realizou o trabalho, incluem-se no Apêndice; se de autoria alheia, devem constar dos Anexos.

A ordem alfabética dos autores constitui a maneira mais fácil de organizar a Bibliografia. Lembrar sempre que as normas da ABNT devem ser respeitadas.

 

ORGANIZAÇÃO E ESTÉTICA:

           Uma apresentação bem-feita é o reflexo de um trabalho cuidadosamente planejado e desenvolvido através de procedimentos rigorosamente científicos.

Antes da entrega do Relatório de Pesquisa, faz-se uma revisão do conteúdo do trabalho e dos aspectos exteriores, segundo as normas para a apresentação: numeração, margens, espaços, correção gráfica e ideológica das citações, destaque dos títulos e subtítulos importantes, correção da ordem alfabética e dos procedimentos para elaborar a bibliografia.

Encadernar o trabalho, usando plástico transparente para a capa, contribui para melhorar o aspecto estético da apresentação.

 

 Bibliografia:

ASTI VERA, Armando. Metodologia da pesquisa científica. Porto Alegre:  Globo, 1989.

  

ANDRADE, M. M. de .  INTRODUÇÃO À METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO. São Paulo: Atlas, 1997.

 

ARANHA, M. L. de A .  História da Educação. São Paulo: Moderna, 1996.

 

CASTRO, Claudio de Moura. Estrutura e apresentação de publicações científicas. São  Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1976.

 

CERVO, Amado Luiz & BERVIAN, Pedro Alcino. Metodologia científica. 4. Ed. São Paulo: MAKRON BOOKS, 1996.

 

GILL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 4.ed. São Paulo: Atlas, 1994.

  

RUIZ, J. A. Metodologia Científica: guia para eficiência nos estudos. São Paulo, Atlas, 1985.